Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Oceano de livros

Como no mar, nos livros eu mergulho. me perco e me encontro, sinto-me em paz e acima de tudo sou mais autenticamente eu própria. In ocean or book, I dive in, I lose myself and find myself, but above all, it's when I more my real me.

Oceano de livros

Como no mar, nos livros eu mergulho. me perco e me encontro, sinto-me em paz e acima de tudo sou mais autenticamente eu própria. In ocean or book, I dive in, I lose myself and find myself, but above all, it's when I more my real me.

03
Jan20

Desafio dos pássaros#16–Sobre a vida adulta: Ainda não entendi o que é para fazer


Inês Norton

Na infância queria crescer

Ser adulta forte e independente viver

Na adolescência pensei descobrir

O propósito de existir

Mas nada veio a passar

Como acalentou o meu sonhar

Ainda assim tentei manter viva

Dentro de mim a criança

Para ter fé e esperança

E força para tudo enfrentar

Mas sobre a vida adulta:

Por mais que o cérebro sinapsee,

Ainda não entendi o que é para fazer..

 

Por que sem nada atingir

Sem nada a mostrar

Limito- me a viver…

Quiça com fé num novo

Começar e vá um dia chegar

Que eu entenda o que vim cá fazer

Como adulta, como mulher, como ser

 

Inês d’Eça

20
Dez19

Desafio dos pássaros#15 –O Pai Natal decidiu reformar-se e as entrevistas começam esta semana. Descreve uma dessas entrevistas na perspectiva do recrutador de recursos humanos: A Rena Rudolfo.


Inês Norton

O nome era Nicky Kringle, e eu estava à espera de mais um gordo bebado com tendências pedófilas, mas o que surgiu foi algo inesperado no mínimo. Ela, sim ela, era uma mulher pequena, s olhos enormes e um sorriso caloroso,vestida de branco e dourado. Pensando que ela se enganara, esclareci que esta sala era para entrevistas de pais natais, e se a visão dela me espantou, mais surpreso fiquei com a resposta que ela me deu:

- “ Eu sei que não correspondo à imagem tradicional de um Pai Natal, e se me deixar expor a razão pela qual acho que posso ser uma boa aposta numa nova geração de Pais Natais, talvez possa não só ter encontrado o seu PN como venha a concordar comigo.”

Curioso, ouvi-a.

-”Para começar falo do facto de ser mulher e pouco ortodoxa. Segundo uma pesquisa de opinião a imagem do verdadeiro Pai Natal – o que se vai reformar agora - está degradada quer pelos comerciais de refrigerantes, pelos falsos e duvidosos pais natais que se vê nos centros comerciais e pela fobia do politicamente correcto que acha suspeito a aproximação de crianças e adultos, e cada vez menos adultos promovem a magia do Natal no imaginário das crianças, o que torna o Natal mais triste e consumista, e menos crianças têm fé no Pai Natal. Eu pretendo mudar isso em três fases: 1 – Aumento da Magia do Natal; 2 – Maior controlo das crianças boas e más e com programas de incentivo ao bom comportamento e à generosidade; 3 – Uma resposta rápida e pessoal a cada criança que escreve ao Pai Natal. O 1ºpasso passa por cada criança ter apenas um presente especial que não é comprado pela familia com uma cartinha pessoal a lhes lembrar o significado do Natal e como resposta à carta pensada ou enviada. O segundo passo é um conjunto de Apps para registar as tropelias de cada criança e analisar a motivaçao psicológica por trás de cada acto, criando soluções personalizadas, e aumentando a taxa de bons comportamentos, escusado será dizer que estas Apps foram desenvolvidas por mim e pode ver neste tablet também a simulação da entrega das prendas por drones, bem como os gráficos estimados dos resultados destas alterações.”

Não tive outra opção senão contratá-la.

 

Inês d’Eça

 

15
Dez19

Tema#14 desafio dos pássaros- Não Nasci para isto


Inês Norton

 

Não nasci para isto

Grita-me o cérebro

Cansado de pensar sobre os

Desafios que me lançam

Os possuídos dos pássaros

 

Não nasci para isto

Gritam-me os olhos

Fartos das 20000 páginas lidas

Em 66 livros só neste ano

 

Não nasci para isto

Gritam me os ombros, as costas

Do peso de calhamaços de mais de 700 páginas

 

Não nasci para isto

Grita-me o sapo

Que lhe dei um blog de livros

Onde muitos aguardam a critica

E onde ninguém participa no desafio

Que criei de leituras invernais

 

Não nasci para isto

Grito em silencio eu ao mundo

Que queria ter vida para ler todos

Os livros bons do mundo

E nem metade deles os posso comprar

É a minha vida

Mas definitivamente eu não nasci para isto..

 

Inês d’Eça

 

06
Dez19

Desafio dos pássaros#13 – Reescreve o final de um filme (ou uma série) – Guerra dos Tronos (será que consigo em menos de 400 palavras?)


Inês Norton

Quando Tyron e Jon Snow foram a julgamento o Tyron revelou a verdade das origens de Jon Snow, revelou igualmente que para Jon o acto de matar Dahanerys foi uma escolha dificil entre amor e dever já que ela se havia transformado na ditadora que queria erradicar e que com isso mostrou ser mais filho de Ned Stark (que fez o que fez em nome da honra,dever e família) do que um Targaryan. Terminou o seu discurso com aquela frase que o povo gosta de historias e lendas e assim haviam dois possiveis reis para Westeros que tinham historias fantásticas de apaixonar o povo: Bran o Quebrado, que era a memória do Primeiros Homens, o Corvo de três olhos, e Jon Snow criado como bastardo, filho de duas casas importantes, Tageryan e Stark, Comandante da NightWatch,, pelo senhor da Noite, e responsável pela morte do rei da noite às mãos de Arya Stark. Afirmando ainda que nenhum dos dois desejava a coroa e o poder e por isso mesmo qualquer um deles seria a escolha ideal.

Assim houve uma votação das casas dos sete reinos e foi decidido que Jon e Bran dividiriam o reinado garantindo assim que existiria um equilíbrio e não surgiriam novos ditadores quebrando a roda do poder. Sansa declara a independência do Norte e é rainha desse Reino. Arya funda uma escola de soldados elite mista para fornecer homens e mulheres para a muralha (mandada reconstruir por Bran na eventualidade do retorno do rei da noite) e para a guarda-real ficando a viver perto dos seus irmãos, os reis de Westeros. Tyron é condenado a ser conselheiro dos dois reis de forma a se redimir dos erros do passado. Os Imaculados voltam as costas a Westeros e partem com os Dothraki para parte incerta. O fantasma é trazido do norte para Porto Real e fica com Jon Snow.

 

(Talvez este final não faça muito sentido e não fuja muito do final que vimos mas foi mais para dar a meu ver um final mais feliz para Jon, e Arya, duas das minhas personagens preferidas)

 

Inês d’Eça

 

Post-scriptum: Sei que alguns nomes podem estar mal escritos e peço a vossa tolerância e perdão porque não tive tempo de pesquisar os nomes que estava em dúvida, mas como a maioria de certo conhece a série não vão ter problemas em identificar de quem estou a falar.

29
Nov19

Desafio dos pássaros#12 - Aqueles pássaros não se calam


Inês Norton

Eu sei que sou eu que estou em falta, pois são quase 10 horas de domingo e não só não lhes enviei o texto # 11 dentro do prazo nem sequer o publiquei ainda no meu próprio blogue (vou tentar fazer isso agora e compensá-los mandando os texto 11 e 12 juntos).

 

Mas por mais que lhes diga que além da semana ter sido dificil quando lerem o texto vão perceber o porquê de me ter sido tão dificil cumprir este tema já que sendo a primeira vez que participo num desafio destes quis guardar os textos que fiz e este em particular é um texto que vai magoar o meu coração por muitos anos depois do termino deste desafio…Aqueles pássaros não se calam a dizer que os prazos são para cumprir, não seria um desafio se fosse fácil e se uma pessoa assume compromissos deve cumprir com os mesmos ou não os assuma.

 

Enfim...já estão a ver a cena. A verdade é que eu estou grata por este desafio e gostava de chegar até ao fim do desafio, pelo que espero que a passarada me perdoe, continue a mandar temas e a postar os meus textos no blog dos pássaros, seja como for tem sido uma viagem e uma experiência gratificante com emoções diversas. Por favor pássaros, não me cortem as asas da imaginação...

 

 

Inês d’Eça

24
Nov19

desafio dos pássaros #11-“Um dia na tua família… do ponto de vista do teu animal de estimação ”


Inês Norton

IMG_20160222_144956.jpg

IMG_20191115_194939.jpg

Eu com saúde versus Eu no último internamento (Nov.2019)

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Olá eu sou a Lili, tenho quase 16 anos e este tema caiu no colo da dona logo no dia em que a Veterinária sugeriu que antes de eu entrar em sofrimento deveria ser eutanisiada por isso embora hajam mais animais cá em casa outra cadela, a Mel, um cão o Fisher e uma gata energica de nome Alma, a cabeça e a rotina dos donos só estão viradas para mim pois infelizmente eu estou a morrer…

 

Tenho um sopro no coração e desde do mês passado fico volta e meia uma semana internada a soro, depois volto para casa passa-se uma duas semanas em que estou bem, depois passo dias a vomitar e volto a ficar internada e o meu corpo está a desistir, o meu coração já causou problemas renais e gastrointestinais, já estou com um ligeiro edema plumunar, e os donos resolveram que eu iria para casa até à próxima consulta, pois embora se tenham passado 12 anos desde que fui abandonada e o meu dono recolheu-me da rua eu vivia no pânico de novo abandono. Mas nesta casa só tive amor e cuidado.

 

A dona trabalha fora mas conforme o horário passeia os manos antes e depois do trabalho, o dono é o responsável pela medicação e por me alimentar que eu já não como por mim e perdi tanto peso que se não for assim não estava ainda aqui.

 

Eu vou vivendo cada dia como o milagre que é ainda cá estar, mas sei que os donos sofrem com a minha iminente partida, que nem este texto está a sair como a dona pretendia, mas o que importa é eu saber que fui amada e que eles estão a fazer tudo para que eu parta sem sofrimento e junto deles em casa como aconteceu ao Tico e não longe de casa a sentir novo abandono. Ainda assim eu sei que tive mais sorte que muito animal que nunca chegou a ter um lar ou amor depois de ter sido descartado pelos donos originais.

 

Inês d’Eça

 

 

 

 

15
Nov19

desafiodospássaros-tema#10- "Já Chegámos, já Chegámos"


Inês Norton

Quem via aquele casal sexagenário não podia imaginar que eram um casal desfeito há mais de 20 anos a quem na velhice havia sido dada a oportunidade de reviverem o amor que os unira e que na verdade nunca morrera. Ambos refizeram nesses anos a vida com outras pessoas, um era agora divorciado com filhos o outro viúvo. Por coincidência ambos tinham ido àquele jardim tão importante na sua juventude para recordarem esse amor e no momento seguinte olhavam-se nos olhos e o coração falou por eles. Estiveram horas e horas a dividir culpas, a reconhecer erros e a validar aquela sensação de que algo inquebrável os unira durante as suas vidas paralelas.

 

A dada altura ele diz:

 

-” Sabes o que eu sinto agora? “ - perante a muda interrogação dela ele continuou. - “Sinto que nestes anos todos estive a fazer uma viagem interminável e que todo esse tempo eu só queria chegar a casa, e tu, meu amor és a casa que eu sempre procurei, um dia tive e deixei fugir. Tu és a minha casa, ajuda-me ou deixa-me chegar a casa, eu fui demasiado cego para perceber que o meu lar sempre foste tu.”

 

Emocionada ela respondeu-lhe:

-” E tu sempre foste o meu, sim tens razão foi uma viagem longa,tortuosa, com lindas paisagens e aventuras, mas também com momentos de medo e solidão, mas agora e pelo tempo que tivermos ainda estamos juntos. Não percebeste que na ânsia de chegar a casa, já chegámos, meu amor, já chegámos.”

 

Inês d’Eça

 

09
Nov19

Shadowfell by Juliet Marillier


Inês Norton

Sinopsis:

In the land of Alban, where tyrannical ruling de Keldec reduced the world to ashes and terror, hope has a name only the brave dare to whisper: Shadowfell. The legend says there is the sanctuary of a rebel force that will fight to free the people from shadow and oppression.

 

And it’s there that Neryn is heading, a young girl of 16 years old, who holds a dangerous Illuminated Gift: the power of communicating with the Good Folks and creatures from the deep Other World. Will Neryn be forced to do this dangerous trip alone? Or should she trust in the help of a mysterious stranger whose true agenda is unclear?

 

Chased by an Empire set to crush her and unaware whom to trust, Neryn will find out that her journey is also a test and she may hold in her hands the key to rescue the kingdom of Alban.

 

Editon: Planeta Autor:Juliet Marillier Ano da 1ª Edicção:2012

 

My Review:

 

I choose this book for the 1st category of #bookbingoleiturasaosol2019, where the title had to have the letters for the word S-O-L (sun in Portuguese), and being Juliet Marillier my favorite Writer it was long overdue a rereading for I remembered nothing since my 1st read in 2012.

The story follows the young Neryn fleeing for her life trusting no-one and making due.

 

In this fight she will discover herself as a beam of hope for the future dreamed of her land, in between she’ll forge unlikely friendships in a landmarked by mistrust and suspicion, discovering that even the most destitute being is always able to give something of himself with love and humbleness, whether is a song, a kind word, or a goodwill gesture. And this was one of my favorite things in this book.

 

I don’t want to give away any spoiler but I recommend this book and gave it fat ones even if I don’t count this trilogy as one of my favorites, but there hasn’t been any book of Juliet’s that I simply don’t like.

 

To finish let’s talk about the cover. Planet Editora is doing a wonderful job with the Portuguese editions, with so much care and attention to the covers and this is no exception. Neryn stands alone near a lake or a creek surrounded by the forest green, facing forward where the light shines in front of her. I just love the green shade the cape blue and the air of tranquility in a world we already know it’s in chaos.



09
Nov19

Shadowfell por Juliet Marillier


Inês Norton

Sinopse da Contra-capa: 

Na terra de Alban, onde o jugo tiranico de Keldec reduziu o mundo a cinzas e terror, a esperança tem um nome que só os mais corajosos se atrevem a murmurar: Shadowfell. Diz a lenda que aí se refugia uma força rebelde que lutará para libertar o povo das trevas e da opressão. 

E é para lá que se dirige Neryn, uma jovem de 16 anos que detém um perigoso Dom Iluminado: o poder de comunicar com os boa gente e com creaturas que vivem nas profundezas do Outro Mundo. Será Neryn forçada a fazer essa perigosa viagem sozinha? Ou deverá antes confiar na ajuda de um misterioso desconhecido cujos verdadeiros designos permanecem por esclarecer? 

Perseguida por um império decedido a esmagá-la e sem saber em quem confiar Neryn acabará por descobrir que a sua viagem é um teste e que a chave para a salvação do Reino de Alban pode estar nas suas próprias mãos.

 

Editora: Planeta     Autora: Juliet Marillier     Ano da 1ª Edicção: 2012

Minha Critica:

Eu escolhi este livro para a 1ª categoria do #bookbingoleiturasaosol2019, em que o título tinha de possuir as letras S-O-L, e sendo um livro da minha escritora preferida e que eu tencionava reler por ter lido no ano da pulicação e já não me recordar de nada.

A história acompanha a jovem Neryn que vive em fuga pela sua vida sobrevivendo como pode sem confiar em ninguém.

Nesta luta pela sobrevivência ela vai-se descobrindo como uma luz de esperança para lutar pelo futuro sonhado para a terra.

No meio de tudo faz amizades improváveis numa terra em que a desconfiança impede a formação de laços naturais na família e comunidade e aprende que mesmo o mais miserável ser que nada tem sempre consegue dar algo de si, uma canção, um carinho, uma palavra, tudo serve quando é dado com amor e humildade. E isto foi uma das coisas que mais gostei neste livro.

Não quero falar muito mais para não dar spoylers mas recomendo a leitura e dei   bem gordas apesar de não ser a minha trilogia preferida da Juliet.

Ainda quero falar da capa. A Editora Planeta tem tido um cuidado maravilhoso com as capas dos livros da Juliet e este não é exepção. Neryn sozinha à beira de um lago rodeada de verde da floresta, de costas olhando para uma luz ao fundo e o que eu mais gosto nesta capa é o tom de verde, o azul da capa de Neryn e o lago tranquilo num mundo que sabemos quer pela leitura do livro quer pela sua sinopse, estar em caos.

 

08
Nov19

desafio dos pássaros #9-“Naked wake up ” - Oceanodelivros.blogs.sapo.pt


Inês Norton

Sentia o calor do sol a aquecer a pele e sorri ao sentir aquele calor bom do verão na pele, ao virar-me meio acordada senti areia a entrar pela minha boca adentro e juntamente com o estranhar de temperaturas de Verão em pleno Novembro despertou-me completamente, e para minha surpresa vi-me como vim ao mundo e fiquei em pânico.

 

Eu não fazia ideia como tinha aparecido na praia nem onde seria aquela praia. Mergulhei na água do mar para tirar a areia de orifícios que eu desconhecia ter e ao sair da água vi um baú um pouco mais à esquerda de onde acordara e sem conseguir compreender a estranheza de tudo aquilo dirigi-me ao baú e abri-o, foi difícil, aleijei-me e a dor garantiu-me que aquilo não era um sonho.

 

Para meu espanto encontrei o que se pode chamar um “kit salva-vidas” com um fato de banho (ao menos a ser resgatada não me veriam em pêlo), fósforos, rede de pesca, uma machadinha, uma mochila e uma rede de dormir, garrafas de água e instruções de como montar um abrigo e sobreviver numa ilha deserta.

 

Passei o resto desse dia a montar um acampamento minimamente seguro, a pescar e a defumar parte do peixe que pescara, e a comer o resto da pescaria, no dia seguinte montei uma fogueira gigante para acender se passasse algum barco ou avião de modo a ser resgatada.

 

Ao terceiro dia acondicionei o peixe defumado numas folhas de palmeira meti 4 das garrafas de água na mochila e algumas bananas duma bananeira que havia junto ao meu acampamento e segui a linha da costa tentando simultaneamente ver se encontrava alguma população e media o tamanho da ilha (se é que era uma ilha).

 

O tempo que me levou a percorrer a linha costal deu para ver que era uma ilhota pequena sem nada à volta além dum vasto oceano. O resto da tarde desse dia deu para explorar metade do interior da ilha onde encontrei uma cachoeira e um pequeno lago de água doce.

 

Só Deus sabia quanto tempo eu sobreviveria ali, mas um dia acordei no meu quarto com a marca da ferida do baú e sem entender o mistério vivido.

 

 

 

Inês d’Eça

 

01
Nov19

Desafio dos pássaros #8-“Escreve uma carta para a criança que foste ”


Inês Norton

Sou a do meio com franja esta foto foi da primária no Colégio Feminino Françês em Lisboa ,algures nos anos 80

Sou a do meio com franja esta foto foi da primária no Colégio Feminino Françês em Lisboa ,algures nos anos 80

 

Minha querida,

 

Há tanto tanto que te quero dizer que nem em 400 páginas caberia, quanto mais 400 palavras,por isso vou tentar resumir ao máximo aquilo que é fundamental que saibas desde já.

 

1º) Tu és muito mais inteligente do que te dás crédito, por isso pára já de te achares menos que os outros, e ainda que não fiques agarrada ao sucesso académico, aproveita o gosto pela leitura e não dependas de gostar ou não do professor para conseguires bom aproveitamento, cria o teu sucesso investiga a matéria que não compreendas para seres capaz de fazer tudo o que quizeres, tu provaste isso na faculdade, por isso tu és capaz provaste-o a ti mesma, mas para que não seja tudo tão esforçado começa agora a provar-te que és capaz.

 

2º ) Mantém esse coração generoso e empático porque é das maiores qualidades que tens mantido nesta tua vida. Não acredites cegamente nas palavras mas vê os sentimentos das pessoas pelas acções, protege esse teu coração de lágrimas amargas que já chorámos, mas não te percas nem te envenenes.

 

3º) Nem tudo o que parece é, e por muito duro que seja esta verdade, aprende desde já que a tua força, o teu pilar, a única pessoa com quem podes contar és tu mesma, porque assim evitas tantas desilusões e rasteiras pregadas pela vida, e não estranhes às vezes quem mais amamos são quem mais nos desilude.

 

Por isso não te esqueças tu és um ser humano muito especial, és forte, guerreira, compassiva, inteligente, culta e sociável, não te menosprezes e quando a vida te abalar lmbra-te do que te levou 42 anos a descobrir. E mais importante, ama-te ama-te muito sempre.

 

Beijos, do teu eu maduro,

 

Inês d’Eça

 

25
Out19

Desafio dos pássaros #7-A Máscara Capilar e a Compota de Abóbora com amendoa - Oceanodelivros.blogs.sapo.pt


Inês Norton

Raios partam o meu patrão

Que é ganancioso e aldrabão

Só quer saber é do pilim,

E meu Deus, coitada de mim

Se não obedeço-o

Vou para a rua

Mas que fazer, se preciso de viver

Tenho de alinhar na falcatrua

A última das quais então é demais

Quer que eu convença esta bela moça

De seu nome Constança

Farta cabeleira sem esperança

Quer um tratamento capilar

E eu só lhe posso dar

Compota de abóbora com amêndoa

E assim a enganar

Parte-se me o coração

Mas os meus filhos precisam de pão

 

Acredite linda moça,

este é um segredo antigo e bem guardado, precioso!

Ponha esta máscara de compota

Que o cabelo deixará de estar oleoso!

A abóbora amacia e hidrata,

A Amêndoa repara e fortalece.

São 10 € paga em MB ou numerário?

 

Inês d’Eça

18
Out19

Desafio dos pássaros #6 - “O Amor, uma cabana… e um frigorífico” - Oceanodelivros.blogs.sapo.pt


Inês Norton

Constança assustou-se quando sentiu que Júlio a quem amava perdidamente, chorava copiosamente, ainda que em silêncio. Ergueu-se da cama, obrigou-o a olhar para ela e perguntou-lhe:

- “Que se passa Júlio? Diz-me.”

Com dificuldade em controlar as lágrimas ele olhou-a, e respondeu com a honestidade que pautava o namoro de ambos:

- “Constança, eu amo-te tanto que sinto que vou morrer de dor porque sei que a nossa relação não tem futuro, como sabes eu sou sozinho na vida, após o 9º ano tive que trabalhar, consegui em vários trabalhos comprar esta cabana que nem casa de banho interior tem, não tem água corrente ou quente, mal tem electricidade para manter o frigorífico a funcionar, e está tão longe do teu mundo de princesa de Cascais habituada a casa com piscina e lareira, carro aos 18 anos, computador, Internet, perfumes e roupas caras, telemóveis, que por mais medo que sinta em te perder, não mereces esta vida de miséria, pois embora eu seja trabalhador, tornando-te minha mulher estou a sacrificar tudo o que conheces e mereces receber da vida, e nunca conseguirei por mais trabalho que tenha dar-te sequer uma sombra do teu mundo. Por isso sei que mais tarde ou mais cedo vou te perder e não o consigo suportar...”

Constança abraçou e deixou-o acalmar-se, então pegou na sua cara, beijou as suas lágrimas e disse:

-” Julio eu também te amo mais que a minha própria vida, e sei que pertencemos a mundos diferentes, apenas porque tiveste menos oportunidades na vida, mas a minha vida era vazia, ainda que cheia desses luxos que falaste, e eu não era feliz antes de te conhecer, já me convidaram a ficar a trabalhar neste escritório de advogados assim que acabe o estágio, assim em breve também eu vou trabalhar e sei que mesmo com dificuldades aos poucos podemos tornar a casa mais confortável, mas eu sei que só necessito de ti para ser feliz. Prometo não me queixar da nossa vida e nunca desistir deste nosso amor, não desistas tu de nós.”

 

Anos depois, Constança cumpriu a sua promessa a Julio, a cabana hoje é uma confortável moradia, mas mais importante que isso é o amor e união que se vê nesta família, cuja história se iniciou com um salvamento e amor e uma cabana com frigorífico…

 

Inês d’Eça

11
Out19

Desafio dos pássaros – Tema#5 - Estás na fila para o purgatório e Hitler está à tua frente. Ninguém o quer aceitar e a fila não anda. Escreve a tua intervenção para convencer um dos lados a aceitá-lo - Oceanodelivros.blogs.sapo.ptDesafio dos


Inês Norton

Já farta de ver aquela discussão entre céu e inferno, não me contive e resolvi a solução que pensara enquanto os via a discutir à minha frente:

- “Desculpem interromper, mas acho que posso ajudar. Posso dar a minha sugestão?” perante a indicação positiva eu prossegui:

- “Jesus ensinou o perdão 70x7, mas como é sabido, o Hitler foi responsável directa e indirectamente pela morte de milhões, logo não seria justo um perdão imediato, então existe este lugar entre o inferno e o purgatório, o umbral onde Hitler pode ser obsediado pelas suas vitimas durante 70x7 mil anos, após o que lhe é dada a hipotese de reencarnar e nessa reencarnação limpar o karma destes crimes. Se ele o fizer pode lhe ser permitida a entrada no céu, contudo se voltar a cometer outro crime contra qualquer seu irmão, então será directamente nviado para o Inferno. Deste modo pratica- se a justiça divina, a fila segue para as suas evoluções, regressões ou castigos, e quer o céu quer o inferno ficam com uns milénios livres do problema de Hitler.

Céu e inferno aprovaram a sugestão, a fila seguiu e eu segui o meu destino.

 

Inês d’Eça

04
Out19

Tema#4 - A Beatriz disse que não. E agora?


Inês Norton

received_10203970803104764 (1).jpeg

Tema#4 - A Beatriz disse que não. E agora?

Estava tudo preparado ao mais ínfimo promenor, para fazer a surpresa da vida da Beatriz, dando-lhe o casamento de sonho num momento em que não o esperava, os cúmplices tinham sido muitos, do noivo aos pais e sogros, ao nosso grupo de amigos sem esquecer o patrão dela que havia garantido a dispensa dela durante o período de dois dias antes da data do casamento e o tempo da lua de mel, e a coisa tinha sido tão bem organizada que na quinta-feira antes do dia D, a Beatriz nem sonhava o que lhe estavam a preparar.

 

Naquele momento, só faltava a Bé convencer a Bia a vir passar o fim-de-semana com ela e a amiga delas a Joana, com a desculpa que esta última estava a precisar das amigas para recuperar do fim do noivado desta, às vésperas do casamento. Todas esperávamos no carro quando a Bé, com um ar de desespero acercou-se do carro e disse:

 

-”A Beatriz disse que não. E agora?

 

A Litta que não era de modas ligou logo para a mãe da Bia na esperança que esta nos desse uma ajuda. Meia hora mais tarde a mãe da Beatriz, chegou ao carro e levando a mala de viagem da Bia trancou-se com ela e o chefe da filha e não sei o que foi dito só sei que que nem uma criança mal comportada, a mãe da Bia trouxe-a até ao carro e entregou-nos a filha e foi assim que a noiva foi raptada para o seu prórpio casamento.

 

Depois de uma despedida de solteira épica e de um casamento fantástico a Beatriz fez um discurso agradecendo a todos os cúmplices o rapto mais feliz que alguém podia imaginar lhe acontecer, e chorou emocionada pois não sabia ser tão afortunada por ter tão bons amigos e familiares que lhe deram aquele momento mágico. E nós emocionados de a vermos tão feliz também chorámos.

 

Inês d’Eça

 

28
Set19

Tema#3 – Um momento marcante uma aventura


Inês Norton

pupilas-dilatadas-voce-sabe-o-que-elas-podem-signi

Como é? - pergunto-me ela com seu ar curioso e doce

Como é o quê, princesa? -devolvi, não percebendo

Onde voava a sua infantil imaginação.

Como é que se sente quando vivemos uma aventura,

Ou sabemos que estamos a sentir um momento especial

Calei uns instantes e depois pus-me a contar

É como a onda que beija a areia, é a bolha que sobe na bebida

A bola de sabão que é embalada no vento

É o coração que te martela o peito

É o sorriso que te enche a cara

É o brilho mágico no olhar

É a lua é o céu é o marcante

É seres pequena e sentireste gigante

É dormir e só ter sonhos bons

É um carinho, um abraço um beijo

É sentires as emoções

Vibrarem em ti e aflorarem a pele

E acreditas que o mundo é bom e que

Todos podem ser felizes

É teres um calor que te anima

É tudo isto ao mesmo tempo

E melhor que tudo Amor,

É grátis, vem de dentro de ti

E podes gozá-lo sem fazer mal a ninguém

E vou te contar um segredo:

Sabes quando eu vivo momentos e aventuras assim?

Sempre que estou junto a ti.

 

Inês d’Eca

Mais sobre mim

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Arquivo